sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Diálogos

Será que lhe importa saber?

Gildo Alves Bezerra

Que outro dia o lenhador produzia o conforto do senhor
Ele enquanto trabalhador de frio morria
E que a “justiça” demonstrando ter lado
Não se preocupava quantos trabalhadores de frio morriam,
        A luta faz a lei
        Pois, a justiça é da burguesia
        Se quiseres transformar esse mar de exclusão
        Que vive a classe trabalhadora
         Somente com organização, estudo e mobilização.
Nosso pensador já comparou a justiça com a prostituição
Isso foi outrora
Mas, que agora com esse golpe
Nem isso podemos fazer mais não
Não devemos faltar com o devido respeito
Ao trabalhador (a) que sobrevive da prostituição.
         Se lhe importa saber tudo estar sendo transformado em mercadoria
         Educação quem manda é dono de cervejaria!
         Sua vida e sua morte quem decide cada vez mais é a burguesia
         Na roleta da bancada da bala, boi e bíblia quem disse que sua vida algo valia?
         E mais se aprovarem a reforma da previdência.
Não pense em providência que lhe salve de trabalhar até a morte
A não ser você decidindo sua própria sorte
Se posicionando enquanto trabalhador não se aliando a golpistas e traidor
E cada vez mais estudando, organizando-se e mobilizando-se enquanto trabalhador.
        Seu voto não tem preço. Tem conseqüências. Importa-lhe saber que o lenhador era trabalhador?



    

       


sábado, 7 de outubro de 2017

Com quem andas?

"Mim digas com quem andas"

Gildo Alves Bezerra

"Que te direis quem tu és "
Sou o caminho do sol e da lua
Sou a verdade do ser
E não mim engano com a falsidade do ter.

Se "quem com porcos se misturam farelo come"!
Sou ser humano, não mim corrompe
O jogo fácil do dinheiro
Toco minha vida no soluçar do tambor,
Conduzo minha vida na vibração do pandeiro.

Sou brasileiro
Mas, luto contra "O jeitinho brasileiro";
Sinto, sinto as dores da senzala;
Canto as dores e alegria das florestas;
Não sigo o falso canto das luxúrias.

Luto contra a negação
Dos seres humanos durante as ditaduras.
Meu passado é canto de alegria.
Mas, também de dor.

Visto a pele de quem sempre foi trabalhador.
Na tragédia anunciada dos ameríndios e afro-brasileiros que produz a riqueza
Mas, colhem a tristeza
Por que tem a "esperteza " do senhor
A quem ao ser humano sempre massacrou.

Vivo a vida de trabalhador-educador
Sinto o soluçar de dor
Por causa de admistrador-senhor!
Que as políticas públicas nunca priorizou.
E se sentem felizes por massacrar a vida do trabalhador.

Sigo meu caminho
Como minha avó, analfabeta, mim ensinou!
"Quem com porcos se mistura farelo come ".
Minha aliança é com minha ancestralidade:
Ameríndia e afro-brasileira
Para não cometer besteira
E se aliar ao opressor.


segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Cara de quem? II

Cara de quem? II
Gildo Alves Bezerra

“cinco séculos de exploração.
Mas, a resistência ainda no coração.”
“apesar de minha roupa
Também sou índio”.

         A resistência no coração
        A ação contra a exploração
        Demonstramos através da educação.

Nossa ação é valida
Ao som do tambor
Como educador
Para termos caras de negros e índios.

      “quando você se encontrar
        Escolha a melhor forma de te expressar”.

“direitos iguais e justiça
Para o povo tupy e guarani
E todas etnias”

      “Um lamento triste
        Sempre ecoou
        Desde que o índio guerreiro
        Foi pro cativeiro
        E de lá cantou”.

“negro entoou
Um canto de revolta pelos ares
No quilombo dos palmares
Onde se refugiou...”

     “...Todo povo dessa terra
     Quando pode cantar
     Canta de dor”.

“E ecoa noite e dia
É ensurdecedor
Ai, mas que agonia
O canto do trabalhador
Esse canto que devia
Ser um canto de alegria
Soa apenas
Como um soluçar de dor”

       “glória a todas as lutas inglórias
         Que através de nossa historia
         Não esqueceremos jamais”

Qual é a nossa cara?
Qual é a nossa memória
Através da história?

        Nossas lutas não esqueceremos jamais.
        Enquanto educador
       Ao som do tambor (percussão do instrumento citado)
       E agogô (percussão do instrumento citado)
       Ao som do pandeiro (percussão do instrumento citado)
       E do ganzá (percussão do instrumento citado)
      Demonstraremos para o Brasil
       Que existem diversas formas de lutar.

     

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

De quem são as malas?

As Malas

Gildo Alves Bezerra

Dos malas Golpistas
São aviltantes
Sabemos dessas dos golpistas de agora
Imaginem as dos golpistas de antes!!!!

         Essas aves de rapina
         São capitalistas hoje PMDEBISTAS, DEM e
          PSDEBISTAS etc.
          Acima de tudo Globistas.

Não devemos esquecer que “o passado tem relação ativa com o presente”.
Quem deu o golpe no passado foi em defesa do Estado patrimonialista
Como também o de agora
Se arvoravam de arauto da moralidade
Mas, nos subterrâneo dos palácios do planalto, da justiça...
Reinavam a corrupção capitalista.

           O que é e foi a privatização?
           Privam quem dos bens produzidos por toda a nação?
           Quem perde os direitos, as políticas sociais?

As privatizações, as explorações, as corrupções...
Das aves de rapinas defensoras do capitalismo ou
Dos reformistas.
Somente consolidam as exclusões da classe trabalhadora.

             Que mais do que nunca deveria ter um canto de alegria
              Vive apenas um soluçar de dor!!!

               Principalmente num cenário que cada vez mais a “justiça” é contra o trabalhador.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Polissemia da arte ou censura?

A arte
Gildo Alves Bezerra

Ela é prisão e Liberdade.
É Chegada e PARTIDA.
Entrada e saída.
É VIDA e morte.
        Mesmo sendo um possível prometeu.
       Ou Diego Rivera.
       A arte é o que se ver.
      Mas, nem sempre a beleza é tão aparente.
Não queira a certeza
Ou primeira visão.
A educação nos ensina
“que os sentidos são falhos”.
            Não temas o Prometeu!
            Cuidado que teu medo.
            Transfere-se ao outro quem tu és.
A arte pode ser agressiva,
Afável, agradável.
Mas, é verdadeira.
       É política
       a beleza da poesia
       não estar em quem escreve.
A arte é antagônica
Da censura.
Muito embora o cenário
Seja de golpe e ditadura.
      Vivamos a liberdade
       Do pensar e agir.
       A vida não combina com prisões, opressões etc.
Jardim nenhum florescerá na opressão
De um presídio.
       Mas, se um pintor assim representar
       É  a liberdade da metáfora.
Qual vai ser o “Estado de Liberdade”?
Da polissemia????
          





     


sábado, 22 de julho de 2017

SERVIDÃO?

SERvidão
Gildo Alves Bezerra

SER ou sujeição?
Na educação existe
Vidão?
Quem será o prometeu?
                 “as palavras são portas de entrada
                   Da nossa comunicação.”
“Mas, uma porta pode estar fechada.
Pior ainda, as palavras,
Mais do que portas trancadas
Podem ser uma parede,
Um muro ou uma verdadeira muralha.”
              Por que existe “ a grande muralha da escolaridade.”?
“a pobreza, o abandono, o descaso, o desinteresse pela educação
Que o poder público, até hoje, dispensou aos filhos e filhas, netos e netas, bisnetos e bisnetas da senzala
Criaram uma ENORME MURALHA. “?
          Seguir ou não seguir o intelectualês?
Ficção ou realidade?
Em qual muralha
Nós estamos aprisionados (as)?


quinta-feira, 11 de maio de 2017

Qual é o limite?

O limite
Gildo Alves Bezerra

A paixão e razão
São limites para nossa viagem
De realidade ou ficção?

    Estamos viajando pelo oceano da exclusão!
    Então, perguntamos lhe isso é ficção ou realidade?
    Nosso passado dos navios negreiros
    Ser tão presente?

Golpe contra o povo e seus direitos políticos e sociais
É algo apenas vivido pelos nossos ancestrais?
Será que a dor de “ser culpado até que prove o contrário”
Ficou trancafiado no passado de nossa história tenebrosa?

Que país é este?
Que o que é bom para os Estados Unidos
Seria bom para seu povo? De novo!

Entre golpes e contragolpes quem sofre?
Da corrupção do capitalismo?
Qual a função do financiamento privado de campanhas eleitorais,
Do monopólio dos meios de comunicação, dos latifúndios,
Da desvalorização do professor?

Para juízes, políticos auxilio moradia.
Para educadores dor e agonia
Para juízes, políticos gordas aposentadorias
Para o trabalhador dor e agonia
Da incerteza se aposentará algum dia!

A terceirização não é a corrupção?
O navio tumbeiro
O navio negreiro
Para o trabalhador brasileiro!